#AugustBreak – dia 14: Vintage

… uma folha amarelecida, uma pena, um tinteiro; escrever numa outra época.

… e então um copo de cerveja pra me lembrar que lá fora é apenas um dia de primavera em 2017, que este é apenas um restaurante com um serviço agradável em Domažlice, Republica Tcheca.

 

#AugustBreak2017

 

Anúncios

De volta à Munique

imageedit_6_5676858350

Marienplatz – Munique

6 anos se passaram. E embora eu nunca tenha me esquecido da daquela viagem à Munique, há tão pouco de que me lembre.

Enquanto preparava o roteiro de um dia na cidade, apesar do mapa fazer completo sentido aos meus olhos, percebi que pouco (ou nada) saberia dizer dos pontos turísticos. Karlstor. Dom. Peterskirche. Viktualien markt. Residenz. Hofgarten. Nymphenburg Scholss.

Munique tem tanto oferecer que fiquei um pouco envergonhada em reconhecer que minhas lembranças se resumiam a umas horas de Oktoberfest, uma estação de metro com meu nome, uns telhados decorados e um “show de bonecos” na prefeitura. De repente me fora dada outra oportunidade de descobrir a cidade. Eis o resultado:

* percebi que a estação de trem está perto de tudo;
* encontrei a tal ‘pegada do diabo’ na catedral;
* vi Marienplatz do topo dos 300 degraus da torre da igreja de S. Peter (foto acima);
* me enamorei (novamente) da feirinha em Viktualien;
* entendi que o show do Glockenspiel em Rathaus tem hora certa para acontecer (11 am e 12 pm);
* carros, carros e carros no BMW museum;
* admirei Residenz em suas salas e todas as jóias que guarda;

imageedit_9_7372611857

Antiquarium – Residenz

Dentre todas as novidades que Munique revelou nessa viagem, foi bom poder contar também com o conforto do conhecido: boa cerveja, boa comida e boa companhia na festiva atmosfera da Hofbräuhaus.

imageedit_2_7794391516

Lisboa: 7 dias num piscar de olhos

Difícil acreditar que já se passou um mês desde que estive ‘mais perto’ do Brasil. Pois é, quando disse que “estar em Lisboa seria o mais perto Brasil que eu poderia chegar por agora” não sabia o quanto de verdade se escondia nessas minhas palavras. De fato, estando em Lisboa pude me sentir em casa, em terras brasilis… para o bom (língua portuguesa, comida boa, carisma das pessoas…) e para o ruim (trânsito caótico, desorganização…).

Os 7 dias que lá estivemos – distribuídos entre matemática e turismo – aconteceram num piscar de olhos. Se eu tivesse de escolher um pedacinho agradável de cada um desses dias, eis o que seria:

dia 1: a atmosfera leve da feirinha em Bairro Altoimageedit_3_5194665078

dia 2: croquetes, risoles e salgadinhos (como deve ser uma festinha)

* não há foto…comi tudo 😀 *

 

dia 3: Mosteiro dos Jerónimos… um espetáculo!imageedit_6_2436545971dia 4: Cabo da Roca, o ponto mais a oeste da Europa (realmente o mais perto que pude chegar do Brasil)imageedit_9_3542285468dia 5: livros…livros…imageedit_13_3534730426

dia 6: conhecer pessoalmente quem já conheço no virtual; Lyria, que escreve o blog Viver a vida em Portugal imageedit_1_5651567354

dia 7: Campo Pequeno e cantarolar ‘El Toreador’, da ópera Carmemimageedit_16_9646949172

Salvador, a segunda chance

Quando comentei aqui que o abadá não se ajustou à minha aborrecência, faltou dizer que isso não foi apenas para tranquilidade da mamys, mas parece que foi também para minha mais completa satisfação. Salvador veio acontecer nos tempos da facul, para uma Gi que fazia mais que viver mal humorada por conta do cabelo rebelde. Só não imaginava que o gostinho de Carnaval viria 10 anos depois daquela primeira visita.

DEZ anos!!

2004, muitas horas de onibus fretado, estradas ruins e ótima companhia: um bando de matemáticos (atípicos) a caminho de uma conferência. Das palestras não me recordo, mas não esqueço que o evento teve início dia 25 de outubro. A precisão de tal lembrança? Dia 24, meu aniversário, chegamos em Salvador e fui a primeira do nosso grupo a pisar no solo baiano. Como poderia esquecer isso e o inusitado bolo surpresa num posto de beira de estrada em algum lugar no (infinito) estado de Minas?

2014, quanta diferença… uma curta viagem de avião, eu e meu amado gringo. Em oposição ao colchonete no chão da universidade que me recebeu em 2004, dez anos depois prezamos pelo conforto. Afinal, já não tenho vinte e poucos e o budget para a viagem já era um tanto mais que os R$ 250 que me cabiam nos tempos de estudante.

2014_02_04_x100_0514_4135x2611

(photo by namorido)

Refazendo caminhos, entendo que o tempo passou para as duas, a cidade e eu. Para minha surpresa não encontro os constantes ‘amarradores de fitinhas’ e as baianas de saia rodada parecem menos incisivas que aquelas que nos abordaram para as fotos por “dois real…dois real…”  (ou era um mais inflacionado “dez real…dez real…”?!). O centro histórico já não me remete a desagradáveis memórias olfativas e suponho que o negócio de vender acarajé já não esteja em alta dado que existem esquinas livres de barraquinhas.

O tempo fez bem a cidade e talvez (apesar dos protesto) também a Copa tenha colaborado. Fevereiro de 2014, Farol da Barra e imediações era uma confusa e esperançosa bagunça em função das reformas. Mas o tempo também se encarregou de por fim às atividades de um interessante shopping a céu aberto onde nós, matemáticos, um dia dançamos forró até os pés doerem. Uma pena 😦

Claro que a viagem de 2014 não foi feita apenas de revisitas. A famosa praia de Itapuã, por exemplo, não foi parte do nosso roteiro – talvez porque não fiz a menor questão de lembrar a versão da música de Vinicius composta em 2004, “Passar uma tarde em Itapuã, levar um tombo em Itapuã…oh, rolar nas pedras de Itapuã… ai ai ai, Itapuã”. Para banho de mar acabamos aderindo a sugestão do pessoal local e passamos nossas manhãs na praia do Porto da Barra. Suas águas claras e a vista para o Forte de Santa Maria quase fazem esquecer que se trata de uma praia urbana – ‘quase’ pois é apinhada de gente e a cada dois passos tem alguém oferecendo cadeira/guarda-sol.

DSC00113_2048x1536

praia do Forte da Barra

Com um pouco mais de tempo (e estrada) fomos à praia do Forte, incluindo projeto Tamar e uma pausa na praia de Guarajuba – que parece ter saído de uma catálogo de agência de viagens. O passeio foi ‘organizado’ à moda do preguiçoso: day-trip reservada na recepção do hotel. Menos dor de cabeça e nem tanto dinheiro assim (nada que três onças não pagassem para os dois).

2014_02_05_x100_0650_4172x2771

Guarajuba – BA

Em dez anos, tanta coisa muda e de repente a Salvador que não me despertava interesse (afora as lembranças de uma viagem da turma) passou a destino de viagem que recomendo.

Meus agradecimentos ao respectivo que insistiu em conhecer a primeira capital do meu Brasil (aliás, você sabia disso?!) e meus agradecimentos às companhias aéreas e seus finais de semana de preços promocionais.

E então, que lugar está precisando de uma segunda chance de sua parte?