Voltei!

DSC05391

Olá, Praga! Pois sim, voltei!

Um ano na Eslovaquia num piscar de olhos. Um piscar de olhos e já se somam dias suficientes para dizer que há um mês tenho um novo cep, num novo-velho conhecido país, Republica Tcheca. Não sabia que minha ausência no blog haveria de encobrir o fim e o começo de tudo. Mas também não sabia quão necessario seria nos mudarmos antes que abril chegasse.

24.03 – 31.03: uma semana de necessaria limpeza, desentendimentos, burocracias, mais limpeza, caixas cheias, caixas vazias, móveis sofridamente montados, moveis carinhosamente celebrados, coisas organizadas, coisas apenas temporariamente escondidas… uma semana de pizza e coca-cola.

Um mês em Praga. Aqui e ali ainda tropeçamos na bagunça, mas olhando ao redor já se sente uma atmosfera de casa. No mais, quero cortinas de renda, vasos de tulipas, um cantinho aconchegante para ler. Quero fotos nas paredes e cadeiras na varanda. Quero visitas e jantares. Quero o ar companheiro do dia-a-dia, pois isso sim faz/fará daqui um lar.

Praga, estou de volta (espero que agora seja mesmo para ficar).

Anúncios

Família

familyComida sem fim. O fogão não descansa. A geladeira lembra a bolsa mágica do Gato Felix. “Come mais” e/ou “Você comeu tão pouco”, são frases distribuídas a cada refeição. Conversas paralelas. TV ligada (e ignorada). Conversas num pacífico alto volume (apenas denotando a excitação do bate-papo). Decidir o jantar mesmo antes dos pratos do almoço acharem o caminho da pia.

Minha família tcheco-eslovaca, mas bem podia ser minha família brasileirinha.

Poderia ser a sua também?!

Enquanto o Sr. Forno não vem

Venho por meio deste perturbar a paz da sua tarde pra fazer uma perguntinha báaaaaaaaasica: alguém aí já testou isso que chamam bolo de caneca de microondas?

Pois é, cansada dessa vida de não-boleira, resolvi apelar. Na verdade, contrário ao que se lê no título, o Sr. Forno até já veio (contei nesse post AQUI), mas acontece que – uma semana depois e – ele continua habitando o chão da sala. Já o microondas, esse existe aqui desde que me juntei ao respectivo e só hoje pensei que ele poderia fazer mais que promover apenas minha felicidade com pipoca.

Bolo de caneca era pra ser algo simples, certo? Tipo: coloca os ingredientes na caneca, mistura, leva a caneca pro microondas, uns minutinhos e…pronto, isso é tudo. Quem disse que consegui?!

DSC05891

Então o que era pra ser um rápido bolo de caneca virou uma (quase) produção em série depois que vi que funcionava.

DSC05890

Bem…sobre ‘funcionar’…foi isso o que pensei quando o fulaninho aí saiu do forno. Só não contava que, enquanto eu preparava a massa pra segunda rodada, o bolo n°1 sofreria uma metamorfose. A tal sobremesa era agora uma arma de defesa pessoal: uma pedra. 😦

Talvez eu devesse ter optado por um bolo de frigideira como me recomendaram os amigos que consultei a respeito. Mas que fazer se não confio nesse fogão (por resistência ou convecção ou seja lá como essa m…digo, essa coisa funciona). Passados os 10 minutos de depressão, entendi que aquele bolo-pedra não estava assim por vontade própria ou por eu ter poderes tal qual Medusa. No vocabulário dos microondas, ‘endurecer’ significa simplesmente ‘queimar’.

Então, era só uma questão de tempo e…tcharam…bolo de caneca…

DSC05893_2592x1944…ou não exatamente.

Fato é que o café da manhã de amanhã já está pronto e fofinho. Agora com licença, vou ali fazer uma calda…afinal se é pra ser gordice, que seja uma gordice bem feita 🙂

* * *
P.S. Agradeço aos amigos que hoje me aturaram com esse papo ‘dona de casa’ via email e também a blogueira Vânia cuja sugestão deixada num post passado acabou por inspirar tudo isso.

Que comece 2014…

“O ano começa só depois do Carnaval”
É o que dizem, certo? E embora não seja o tipo que apoia essa ideia (pois isso significaria que vim adiando a vida nesses 60 e tantos dias)…pois bem, embora não concorde, o fim do Carnaval neste ano marcou dois inícios importantes: a chegada do forno e o retorno à academia.

(forno a espera de uma acomodação na cozinha)

(forno a espera de uma acomodação na cozinha)

E cá entre nós, não poderia haver simultaneidade melhor que essa. Analise comigo. Se por um lado o forno implica mais atividade gastronômica; por outro lado a academia será fundamental para que eu continue cabendo nas minhas calças.

Com essa combinação perfeita (forno+malhação), já que não preciso me preocupar com possíveis-futuras gordurinhas; que tal me sugerir o prato de estreia? Não sou cozinheira de verdade, sou apenas uma matemática brincando de panelinhas, mas acho que engano bem. Então, venham me fazer companhia na cozinha! 😉