Uma estrada qualquer na Moravia (Czechia)

Sexta-feira. De manhã estou na faculdade de engenharia como que promovendo gauge integrals. A tarde, visita burocrática no instituto. A noite, as ensolaradas 18h, estamos em terras tchecas. E depois de jantar sopa de feijão e falar de pés de tomates selvagens, estamos na estrada. Uma estrada qualquer, que talvez até fosse para num calendário; dessas com uma fileira de árvores de cada lado a determinar onde termina a estrada e onde começam as plantações, ainda verdes, de trigo. Uma estrada que noutra vida deve ter sido um passeio que viu muitos glutões. Suas árvores não são puramente frondosas, são cerejeiras – hoje carregadas de frutos num provocativo vermelho a atiçar os motoristas.

Sexta-feira, noite clara, e estamos pendurados nos galhos dessas provocadoras.image

E embora sejam árvores sem dono, parece existir um suculento sabor de fruto surrupiado somado ao doce-azedo de cada cereja. Não há sacolas, não se trata de  algo premeditado. Tudo acontece no aqui-agora, o quanto couber nas mãos, na boca e no estomâgo.image

Na volta pra casa, língua de fora – como se isso pudesse aumentar a capacidade de armazenamento do estômago.image

Na volta pra casa, apontam a estrada das peras, das nozes… e minha gula da pulos de ansiedade, já sonhando o outono na Moravia que há trazer essas delícias 🙂

Aproveitando o verão como um tcheco

A maneira como os tchecos aproveitam seu verão é algo que me chamou atenção desde a primeira estadia, em 2010. Às vezes me parece que vindo de um país ensolarado nem sempre notamos o sol (mas com certeza havemos de reclamar sua ausência). Já por essas bandas, cada dia de sol é uma festa… principalmente no verão. Ano passado, escrevi para o blog Brasileiras pelo Mundo um pouco sobre o verão dos tchecos. Faltando poucos dias para a chegada oficial da estação, penso que é um bom momento para lembrar parte do texto publicado no Brasileiras pelo Mundo.

* * *

“É verão no hemisfério norte. Período escolhido por muita gente para dar uma voltinha pela Europa contando que assim não vá ter grandes surpresas com os termômetros. Se esse é seu caso e você escolheu Praga como seu destino de viagem, aviso logo: pode ser que o verão aqui te surpreenda. Pode ser que de repente as manhãs ‘fresquinhas’ de Praga (por vezes 14°C) não seja aquilo que você chamaria de verão. Mas pode ser que a surpresa seja o extremo oposto e mesmo com toda sua experiência em verões tropicais no Brasil você se veja passando calor… 30 e tantos graus de calor sem ar condicionado (pois é assim que é na maioria dos lugares por aqui).

E para atacar o calor, uma caneca de cerveja. É certo que sugerir uma caneca de cerveja aqui não depende muito da estação do ano. Se perguntarmos a um Tcheco qual o primeiro lugar em Praga que ele apresentaria a um amigo a passeio pela cidade, arrisco (com 99,5% de certeza) que sua resposta seria: um PUB. (…)

Contudo não vim fazer a vez do Guia 4 rodas indicando esse ou aquele PUB (ainda preciso fazer mais ‘pesquisa de campo’ para dar umas indicações verdadeiramente testadas… hehe). Vim aqui dar algumas sugestões de como aproveitar o combo verão-cerveja no estilo tcheco.

Parque Letná

Não muito distante do castelo (que com certeza estará na sua programação turística) fica essa área verde: Letenské sady, o parque Letná – cujo nome parece ter tudo a ver com leto, que é verão em tcheco (mas isso é mera observação dessa estrangeira aqui). O que essas árvores não contam é que ali, em meio a essa tranquilidade toda, já ‘residiu’ o comunismo; representado por uma enorme estátua de Stalin num ponto do parque com uma vista privilegiada da cidade. Hoje já não há estátua, mas a vista continua belíssima.image_3

Além de um pouco de sombra e tranquilidade, o parque conta com um biergarten, ou seja, uma área com bastante sombra, muitas mesas e banquinhos pra você se sentar e saborear uma cerveja. Para quem não sabe, quando falo cerveja aqui estou me referindo ao que no Brasil chamamos de chopp (que é servida sob pressão a partir de barris). A medida padrão é 500 ml e se quiser beber menos vai ter de informar que deseja malé pivo, ou seja, a pequena de 300 ml.

imageedit_2_3646777924

Riegrovy sady

Pertinho do Museu Nacional, Národní Muzeum, esse parque parece ser o ponto para onde convergem cerveja e esporte. Explico. O biergarten aí, mais que cerveja e linguiças, conta com dois telões sempre ligados no esporte do momento – nem é preciso dizer que esse era o ponto de encontro pra curtir a Copa. E mesmo se você não é muito fã da cerveja e/ou esportes pode curtir a atmosfera do lugar saboreando uma super rosada malinovka (um refrigerante de framboesa) ou a tradicional kofola (versão tcheca para coca-cola).

Parque Stromovka

Bicicletas, patins, patinetes… um lugar para picnic (naquele estilo bem filme: com cesta de vime sobre toalha xadrez)… famílias, crianças, cachorros…muitos cachorros (afinal, por aqui todos prezam bastante o melhor amigo do homem); essa é a visão desse imenso parque muito apreciado pelos locais. Apesar de menos turístico e tendo o principal restaurante em reforma, é possível encontrar um ponto de venda de cerveja nas barraquinhas próximas do restaurante ou nas imediações do Planetarium (e cá entre nós, foi uma das cervejas mais baratas que já tomei por aqui). No mais, se você é daqueles que curte uma caminhada, de Stromovka para o Chateau em Troja é um pulo (ou quase isso… basta atravessar uma ou duas pontes).”

Fica a dica 😉


Esse texto foi publicado originalmente no blog Brasileiras Pelo Mundo. Para ver o post na íntegra, clique AQUI.

O sol das 6 pm

Aconteceu já faz algumas semanas. Saindo do prédio onde frequento aulas de inglês, uma revelação: 6 p.m. e ainda dia claro. Deixei a usual pressa de lado e me permiti saborear aquele céu azul claro ainda iluminado de sol.

É certo que Prašná brána (Powder tower), bem como seus vizinhos-prédios em Náměstí Republiky, tem uma beleza especial (e aterrorizante) quando a iluminação artificial contrasta com o céu azul royal já noturno. À visão desse portão gótico volto no tempo; vou a Praga do século XI quando essa torre ainda marcava uma das muitas entradas da Staré Město.

Mas hoje não viajo no tempo, são 6 p.m. e Prašná brána está iluminada porque ainda é dia claro…

imageedit_2_2364497575

Apenas mais um dia de inverno

Um lindo dia de inverno, com sol, céu azul e um vento gelado a queimar o rosto.

imageedit_2_4373154494É certo que o sol não é, digamos, funcional. Sejam 2, 3, ou os 5 graus de hoje, qualquer dessas variantes ainda é frio bastante para uma paulista. Mas o frio pouco importa se o sol lá estiver para enfeitar o azul do céu.

No mais, gosto de janeiro aqui – digam o que disserem os homens do tempo em suas previsões. Este é, possivelmente, o único mês no calendário em que Praga está apenas para os tchecos (e agregados, como eu). Os prazeres da baixa temporada.

Apenas mais um dia de inverno… e Praga, pura paz.

Praga em (quase) três minutos

Entre tantos rascunhos de coisas pra contar, venho aqui manifestar minha preguiça de escrever usando de um post para compartilhar com vocês um pouquinho da minha Praga (no bom sentido…hehe). O vídeo chegou em mim via Facebook e é parte do projeto Timelapse the World – onde você encontra também outras cidades pelo mundo descritas assim sob as lentes de E. P. Hobson.

Espero que gostem do ‘passeio’.

P.S. n°1 Sei que tudo aqui soou como ‘propaganda’, mas afirmo que este post não tem fins lucrativos.

P.S. n°2 (ou, agora sim a propaganda) Falando em Facebook: já conhece a página do blog? É um jeito fácil de ficar atualizado sobre o que acontece aqui. Curte aí Far away, so close – blog da Pequena Gi

P.S. n°3 Quer conhecer meu lugar favorito nessa cidade? 2:05 pois é de onde se tem a magnífica vista do castelo mostrada no vídeo em 1:22 😀