Primeiro de maio, (em Praga) dia do amor

Primeiro de maio, dia de subir Petřín, beijar sob as cerejeiras e com isso receber as bençãos de um amor jovem pelas mãos do poeta que escreveu Máj — ou assim reza a lenda do den lásky, o dia do amor em Praga.

Aí você me lembra que não estou em Praga.
Pois é, esse ano não houve Petřín para nós; mas o dia do amor, esse ‘inventamos’ ainda em março, ainda em Czechlands, sob amendoeiras em flor.imageedit_3_4377648830

Mesmo não eternizado pela poesia de Mácha, um jardim em Hustopeče tem chamado atenção, criando quase um local den lásky em meados de março, quando florescem as amendoeiras.

Então, num sábado ensolarado, percorremos os 32 km que separam Hustopeče de Brno, na Moravia do sul, e fomos descobrir a beleza das amendoeiras que ainda não se tinham desmanchado numa chuva de pétalas.imageedit_8_6068407479imageedit_11_4357970017

Entre aquelas árvores que, ignorando as marcas da avançada idade, se enfeitavam de flores eu pensava em Maria Betânia e sua canção Depois de ter você. “.. pra que amendoeiras pelas ruas?”, ela canta. Acho que numa visita a esse jardim em Hustopeče e entende-se o porquê. Pra que amendoeiras?! Para ‘abençoar’ os casais que se beijarem sob seus galhos floridos com um amor sempre jovem… como numa versão da (romântica) lenda que se perpetua em Petřín. 

P.S. A popularidade desse jardim tem crescido e nos últimos anos o desabrochar das flores acompanha uma série de eventos (veja AQUI para o festival ocorrido em 2016).

Mikulov e o Vinobraní

“Mikulov is situated in the very heart of a wine region”

…a descrição, tomada emprestada do site oficial da cidade, só mais poética ao dizer o mesmo que o sábio Wiki: “Mikulov is a centre of Czech wine-making”. Isso tudo só confirma que estive no lugar certo para a festa do Vinobraní (que anunciei no último post AQUI, e aconteceu há duas semanas).

Estive em Mikulov uma dezena de vezes, mas nunca antes fui ‘recebida’ por Baco em pessoa ou pela comitiva do rei.

imageedit_3_3454441539imageedit_6_4850793264

Eis as evidências do Vinibraní, a cidade em festa como um todo.

imageedit_10_9428585171

– acesso a praça principal –

imageedit_13_2477077525Mesmo o castelo de Mikulov entrou na programação: o jardim virou ‘palco’ de teatro; o super-mega barril, escondido nos ‘calabouços’, estava aberto a visitação; no salão de festas, os premiados vinhos do festival que aconteceu em maio estavam disponíveis para degustação (pagando, lógico).

imageedit_17_8496464770 imageedit_20_4686147887

Mas na festa do vinho jovem o negócio é fazer vinho.

imageedit_30_6257355112 imageedit_33_5715730957

eis o prefeito trabalhando pela cidade

eis o prefeito trabalhando pela cidade

File 28.09.15 21 18 44E enquanto eles mostravam como se faz, eu vivia meu momento ‘Caminhando nas nuvens’ (tive de me conter para não cantar o la-la-la-la do filme junto com o coral das senhorinhas).

imageedit_24_8318879179

O resultado da demonstração foi apenas suco de uva, mas opções de burčák não faltavam – cada dois passos uma vendinha. Na dúvida de qual escolher tomei uns três copos (e claro que isso teve suas consequências não tão boas mais tarde… hehe). Encerramos a festa assistindo (comportadamente) o show de Michal Hrůza:

imageedit_39_2557362250

Próximo Vinobraní só ano que vem, mas espero voltar qualquer hora dessa para mostrar mais de Mikulov 😉

>> créditos da imagens: namorido!

Album do fim de semana

Sumi esses dias…falhei com o projeto…mas tudo porque: às vezes a gente tem de se ocupar de apenas viver. Fui passar o fim de semana na região da Moravia e tive a chance de acompanhar, em Velké Pavlovice, uma festa do folclore regional: o hodi – que entre outras coisas celebra a colheita das uvas (mais detalhes você encontra AQUI – em tcheco).

Mesmo estando ocupada (comendo, bebendo, dançando…), tirei algumas fotos e compartilho com vocês meu álbum do fim de semana.

imageedit_5_8281890820imageedit_21_7855235654imageedit_32_7203012272imageedit_29_2435657598imageedit_25_2936467368imageedit_35_2946193393

imageedit_38_9200051516

Kutná Hora, mais um pouquinho da Rep. Tcheca

No meu primeiro fim de semana em Praga veio a pergunta: você foi na igreja decorada com ossos humanos? “Não mamy. Lembra, o Pedro disse que não é em Praga” Uma semana depois, outra vez a pergunta: “E agora? Já foi na igreja que tem os ossos?” E lá fui eu explicar de novo ao que a mamy conclui  “Ah, é verdade. Você me falou!”

Mais tarde São Google me contou que a tal igreja fica em Kutna Hora, uma cidade próxima de Praga historicamente importante por suas minas de prata. Agora pode perguntar mamy 🙂

Kostnice, adequadamente localizada num cemitério

Vou te falar viu, que coisa mais bizarra!!

Mas a cidade tem mais a oferecer. Não sou um exemplo de turista por isso as fotos que seguem são obra do meu orientador-guia turístico- fotógrafo Milan Tvrdý. Thank you!

Como eu ia dizendo, Kutná Hora é mais que apenas Kostnice e seu ossuário. Chrám Nanebevzetí Panny Marie está na lista de patrimônios da UNESCO, com suas janelas que parecem desenhos e abriga belíssimas obras de arte

me impressionou a diversidade de rostos

Depois Vlašsky dvůr, algo como a Casa da Moeda. Embora a visita guiada fosse em tcheco para se encantar não é preciso explicações.

A essa altura do passeio meu joelho já estava no auge das reclamações, mas eu nem sonhava o que estava por vir.

Caminhei boquiaberta pela rua que levava à Catedral de St. Bárbara. Daí depois foi difícil fechar, tamanho encantamento.

Não faço o tipo que reza, mas confesso que me peguei tentando um ‘dialogo’.

Respeito e as vezes até invejo aqueles que realmente tem fé.  Minha oração é sentir meus olhos se encantarem seja uma igreja, o céu, uma árvore…esse é meu ‘amém’.  Já em Praga, a caminho de casa, olhando as nuvens de clara em neve pude dizer meu ‘amém’ mais uma vez naquele dia.

photo by Gi